• Cíntia Travassos

TAÍS SALES DE MORAES É DO COLETIVO CONEXÕES PERIFÉRICAS-RP

Atualizado: 1 de ago. de 2021

Taís Sales de Moraes tem 26 anos, e foi criada na comunidade da Tijuquinha. Formada em Vídeo pela Oi Kabum Rio Escola de Arte e Tecnologia, fez curso técnico de operador de câmera no Senai e curso de cinema na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Participou, em 2020, do programa Cidadão digital pela Safernet, em parceria com o Facebook.

A trajetória de Taís Moraes é cunhada na cultura, no seu encanto pelo domínio das técnicas dos programas digitais, na construção de projetos sociais e na participação de projetos para exposições, filmes, curtas-metragens. Ela usa sua magia e conhecimento intelectual para criar e testar atividades em laboratório digital, com a fotografia e a produção e edição de filmes e vídeos.


A jovem e dinâmica Taís Moraes faz parte do “Conexões Periféricas – RP”, situado na comunidade Rio das Pedras, um coletivo com ações voltadas à educação e à cultura. Ela contribui neste coletivo ministrando aulas nas oficinas de foto e audiovisual aos jovens da comunidade.



Taís Moraes vem cada vez mais estudando e se especializando no domínio de programas como Adobe Premiere, e em programas similares como Da Vinci Resolve, Illustrator, Adobe Photoshop, entre outros. Além das aulas de edição de vídeo e fotografia, atualmente desenvolve desenho, técnicas de digitalização, vetorização e colagens digitais. Ela quer colocar seu saber à disposição da luta por melhores condições de vida e a favor da educação e da cultura.


Com a chegada da pandemia, a relação com a cidade, que era muito intensa, diminuiu bastante, particularmente para Taís Moraes, no que diz respeito a sua interação e criação. Ela precisou voltar sua energia aos estudos e para e construir novas saídas, partindo do seu próprio companheiro de caminhada, o computador, uma ferramenta potente que a ajudou a encontrar alternativas para esse momento. E isso a fez entender que são períodos de grande oscilação que exigem mais técnica, que precisam de profissionais mais capacitados. O que a fez perceber o impacto que a falta de estrutura de tecnologia acarreta para melhores desempenhos. Taís Sales de Moraes sonha em construir uma estrutura escolar de arte-educação digital, modelo de educação direcionado às periferias.


110 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um dos setores que sofreram com a pandemia foi a cultura, e vários artistas, agentes culturais, fazedores de cultura, museus, espaços culturais, teatros, cinemas, entre outros, tiveram suas atividades

jaajbr.png