• Jornal Abaixo Assinado

Quero meu ônibus de volta!


FOTO ONIBUS 636

Quero meu ônibus de volta!Linhas 701 – 636 – 747

*Por Leandro Ribeiro

A baixada de Jacarepaguá está sendo uma das regiões mais impactadas com a construção do corredor expresso para o BRT Transcarioca. Ao longo do período de obra, que perdurou por quase três anos, os moradores do bairro sofreram com imensos congestionamentos sem precedentes.  Porém, a esperança de que, após o término da mesma, o trânsito ficaria menos caótico, foi motor primordial na escalada do dia a dia dessa jornada, embora, quase dois anos após o início do funcionamento do serviço, pelo que parece, o sofrimento da população só aumentou.


Linhas alimentadoras 636

Um das características mais perceptíveis após a vinda do BRT, foi o desaparecimento de linhas rodoviárias tradicionalíssimas que contemplavam milhares de trabalhadores e estudantes diariamente, transportando-os de Jacarepaguá a bairros adjacentes. Em detrimento disso, foram implantadas as chamadas linhas alimentadoras, cujas quais têm seu ponto final em estações específicas do BRT e, teoricamente, tracejam os percursos outrora realizados por linhas extintas, até mesmo de transportes alternativos que, hoje, estão proibidos de circular, como as Van e Kombi.


20160220_164625

A grande questão aí está: as linhas alimentadoras, na prática, não contemplam os passageiros que antes tinham ligação direta com outros bairros, através das linhas que já não existem mais. Sub-bairros como a Taquara, por exemplo, possuem regiões, muito bem povoadas por sinal, cujas quais estão distantes do BRT e que, antes contempladas por linhas alternativas que faziam essa ligação, hoje possuem trabalhadores e estudantes que perdem muito mais tempo para realizar seus trajetos diários.

Três linhas extintas parecem fazer muita falta no cotidiano do morador da baixada de Jacarepaguá: a linha 636 (Figura 1), que realizava o trajeto Gardênia Azul – Saes Pena (Tijuca). Esse percurso contemplava os moradores da Freguesia, do Anil e do Pechincha que, por ventura, precisavam se deslocar para bairros como Cascadura, Meier, Piedade, Lins, Engenho Novo dentre outros. Hoje, quem precisa desse trajeto, precisa fazer baldeações e acaba perdendo tempo e dinheiro. A linha 747, que tracejava de Madureira até Vargem Grande, foi extinta e os moradores das Vargens, que não são contemplados pelo BRT, ficaram sem ligação direta com a Taquara, Tanque, Praça Seca e Madureira, privando-os do direito de ir e vir. E, também, a linha 701, cuja qual transportava uma grande quantidade de passageiros de Madureira até o Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, perpassando pela Cidade de Deus, que também não é contemplada pelo BRT, esticando até o Shopping Downtown antes do ponto final.

*Estudante de Geografia da UERJ/FFP e Morador da Taquara

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
jaajbr.png