• Jornal Abaixo Assinado

JULIANO MOREIRA: O MÉDICO QUE REVOLUCIONOU A PSIQUIATRIA BRASILEIRA

No dia 6 de janeiro o Doodle do Google apresentou o desenho de um rosto masculino negro, com um bigode cujos fios das laterais estavam erguidos de maneira pontuda. Era um esboço do psiquiatra soteropolitano Juliano Moreira, um médico que revolucionou o tratamento de pessoas com transtornos mentais no Brasil.

De origem muito humilde, Moreira ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia em 1886, aos 13 anos de idade. Graduou-se aos 19 anos, com a tese “Sífilis maligna precoce”. Cinco anos depois de formado, Moreira se tornou professor de psiquiatria da mesma faculdade. Em 1903, assumiu a direção do Hospício Nacional de Alienados, no Rio de Janeiro. O Hospício Pedro II, posteriormente denominado Hospício Nacional de Alienados (HNA), foi inaugurado em 1852 para abrigar indivíduos considerados “loucos” que viviam no então Distrito Federal e nas suas cercanias. Nessa instituição, Juliano Moreira aboliu o uso das camisas de força, retirou as grades de todas as janelas e separou pacientes adultos de crianças.

Além de ser reconhecido pela busca de um tratamento humanizado para os pacientes com distúrbios psíquicos, Moreira se notabilizou por combater a teoria pseudocientífica que afirmava ser a “mestiçagem” a origem da degeneração do povo brasileiro, especialmente com uma suposta contribuição negativa dos negros na miscigenação. Ele afirmava que as causas dos distúrbios mentais estavam associadas com o alcoolismo, com a sífilis, com as verminoses e comas condições sanitárias e educacionais precárias. Para entender essa visão, torna-se importante contextualizar o período histórico em que viveu Juliano Moreira, já que nas primeiras décadas do século XX, a medicina brasileira acreditava ser capaz de dirigir o processo de modernização do Brasil com a implantação de métodos sanitizantes. Mesmo dentro dessa perspectiva, pode-se afirmar que ele foi um dos primeiros médicos brasileiros que lutou abertamente contra o chamado Racismo Científico. 

A antiga “Colônia de Psicopatas- Homens”, fundada em 1924 na Baixada de Jacarepaguá, foi renomeada para “Colônia Juliano Moreira”, em 1946. 

O médico baiano faleceu em 2 de maio de 1933, dentro do Sanatório de Correias, no município de Petrópolis, onde estava internado para tratar uma tuberculose.

Escrito por Val Costa

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
jaajbr.png