• Jornal Abaixo Assinado

Jacarepaguá: 425 anos de História

Igreja de Nossa Senhora da Penna


*Texto do pesquisador Val Costa –

Entre 1555 e 1567 a região da Baía de Guanabara foi palco de vários conflitos entre portugueses e franceses. Liderados por Nicolas Durand de Villegagnon, os súditos do rei Henrique II tentaram consolidar uma colônia no Rio de Janeiro: a França Antártica. Durante essa disputa foi fundada, no dia 1º de março de 1565, entre o Pão de Açúcar o morro da Urca, a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Estácio de Sá, seu fundador, morreu em decorrência de uma flechada no rosto, no dia 20 de fevereiro de 1567, sendo substituído pelo seu tio Mem de Sá. Nesse mesmo ano, o novo governador doou sesmarias na planície costeira compreendida entre o Maciço da Tijuca, o Maciço da Pedra Branca e o mar para dois auxiliares administrativos: Jerônimo Fernandes e Julião Rangel de Macedo.

Largo da Taquara


Em 9 de maio de 1569, Salvador Correia de Sá sucedeu Mem de Sá no governo do Rio de Janeiro. Ele foi um nobre e militar português que se notabilizou pela expulsão dos franceses da Baía de Guanabara. Em 9 de setembro de 1594, os filhos de Salvador Correia de Sá, Martim Correia de Sá e Gonçalo Correia de Sá, solicitaram ao seu pai as terras da Baixada de Jacarepaguá, alegando que os sesmeiros originais não tinham desenvolvido nenhuma atividade econômica nelas até aquele momento.  O sesmeiro era obrigado a cultivar, demarcar e, por fim, a obter da autoridade o reconhecimento das medidas das glebas.  Sob esse argumento, os dois irmãos pediram as terras e tiveram a sua solicitação atendida.  É importante ressaltar que as sesmarias deram início ao processo de formação dos latifúndios no Brasil Colonial.

Igreja de Nossa Senhora do Loreto – Freguesia


Uma das lagoas que formam o complexo lagunar dessa planície empresta-lhe o nome, Jacarepaguá, que vem da família linguística Tupi-Guarani, significa “lagoa rasa dos jacarés” (upá=lagoa, guá=rasa e iakaré=jacaré).

A Lei N.º 5.146, de 7 de Janeiro de 2010, que institui o Calendário Oficial de Eventos e Datas Comemorativas da Cidade do Rio de Janeiro, estabelece o dia 9 de setembro para a comemoração do aniversário de Jacarepaguá.

Igreja de São Gonçalo de Amarante – Camorim


A Baixada de Jacarepaguá possui um importante acervo arquitetônico, como as capelas de São Gonçalo de Amarante e Nossa Senhora da Cabeça, as Igrejas do Loreto e da Penna, o Núcleo Histórico Rodrigues Caldas (Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira), a Fazenda Baronesa e a sede do antigo Engenho d’Água.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
jaajbr.png