• Jornal Abaixo Assinado

Escola Padre Butinhá recebe premiere do filme Irmão do Morro

Por Miguel Pinho

No dia 23/04, no finzinho da tarde, a escola Padre Butinhá recebeu a premiere do filme Irmão do Morro. O filme fala sobre a história da favela São José Operário, que fica na Praça Seca, através da ótica de seus moradores. O filme foi produzido por alunos da turma de comunicação popular do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC) e dirigido por Bruno Lima, morador da comunidade e também aluno do curso.

DSC_0384

Foto após a exibição do filme. Fotógrafo: Igor Ferraz


Na história aparece com destaque um importante personagem da comunidade, o Padre Frank. O religioso ajudou na organização da comunidade nas reivindicações por instalações de luz, água e saneamento básico.  E este é um dos aspectos importantes do filme, que é mostrar a luta dos moradores de São José Operário por dignidade.

Para Bruno Lima, a oportunidade de fazer o filme veio através do NPC para contar a história de vida das pessoas que residiam e residem na comunidade. E mesmo com as lutas reivincatórias da comunidade, ainda hoje a São José Operário enfrenta problemas. “Ainda hoje a gente sofre como há 30 anos com a falta d’água, você vê pessoas tendo que colocar lata d’água na cabeça para levar água potável para dentro da sua casa.”

DSC_0373

Bruno Lima, o diretor do Irmão do Morro. Foto: Igor Ferraz


O filme é importante como registro histórico, e também mostrar o que existe na comunidade para além da violência e da precariedade, que existem pessoas sonhando e lutando por um vida melhor. Para o diretor, “a história que as pessoas sabem do morro, que é uma área de instabilidade social, extremamente violenta, e no filme a gente trata que não é isso, lá tem moradores trabalhadores. Eles (os moradores) com certeza vão receber bem o filme e vão gostar bastante porque é um filme que conta um pouco da história deles, vai ser uma grande festa, porque tudo no São José termina numa grande festa.”

Confira o trailer do Irmão do Morro


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um dos setores que sofreram com a pandemia foi a cultura, e vários artistas, agentes culturais, fazedores de cultura, museus, espaços culturais, teatros, cinemas, entre outros, tiveram suas atividades

jaajbr.png