• Jornal Abaixo Assinado

ADEUS ANO VELHO! A DEUS, ANO-NOVO!

Atualizado: 22 de ago. de 2021

Nunca vimos tanta gente desejando que um ano acabasse. Como se na noite do Réveillon toda a nossa vida (ou pelos menos os últimos doze meses dela) fosse passada a limpo como num passe de mágica. Afinal, temos que admitir que 2020 não foi um ano para amadores: geosmina, enchentes, pandemia, quarentena, primeira onda, lockdown, recessão econômica, desemprego, segunda onda. Ufa! E ainda nos perguntamos o que mais pode acontecer. Melhor não perguntar.


No entanto, lamentamos desapontar, mas na noite do Réveillon nossas vidas não serão passadas a limpo. No dia 1o de janeiro de 2021 muitos vão acordar de ressaca —ainda desejando que 2020 tenha sido apenas um pesadelo de uma noite escura e fria. Não. Não foi. Vivemos 2020, ou melhor, sobrevivemos a 2020. O que vamos fazer com toda essa experiência que tivemos é o que realmente importa.


Na noite do dia 31 podemos fazer várias simpatias, cantar com toda a nossa força Adeus ano velho, entregar a Deus o ano-novo que começa. O fato é que, nem a velha canção nem terceirizar a nossa responsabilidade para Deus fará com que todos os nossos melhores desejos para o Ano-novo aconteçam. Afinal, precisamos lembrar que o livre-arbítrio existe, e que as rédeas da nossa vida estão (pelo menos na maior parte do tempo) em nossas mãos.


E quanto nós estamos dispostos a mudar para merecermos um ano efetivamente novo? Se continuarmos a agir como sempre agimos, teremos os mesmos resultados, não é verdade? 

Por isso, na noite de Réveillon, desejamos que você, leitor e leitora, e todos nós nos tornemos, definitivamente, a mudança que queremos ver no mundo (como dizia o sábio Mahatma Gandhi). 


Desejamos ainda que passemos a dar mais valor ao que realmente importa, que tenhamos a serenidade para viver o momento presente e que saibamos usufruir, contemplar, celebrar e fazer por merecer, a cada dia, o simples fato de estarmos vivos.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, durante seu discurso de despedida da presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no dia 17 de fevereiro, afirmou que a liberdad

jaajbr.png